04
JAN
2016

Entrou em vigor o Acordo Global entre a Santa Sé e a Palestina

by :
comment : 0

2016-01-03 Rádio Vaticana

se

Composto por um preâmbulo e 32 artigos, este Acordo leva em consideração os aspectos essenciais da vida e da actividade da Igreja católica na Palestina. Trata-se, no fundo, da liberdade de acção da Igreja, da sua jurisdição, do estatuto do pessoal, dos lugares de culto, das actividades sociais e caritativas da Igreja, dos seus meios de comunicação social, das questões fiscais e da propriedade. O documento reafirma também o apoio da Igreja para uma solução negociada e pacífica do conflito entre Israel e a Palestina.

Assistiram à assinatura deste Acordo Global a 26 de Junho de 2015, D. Gallagher, Secretário de Estado do Vaticano para as Relações com os Estados, e o Ministro palestiniano dos Negócios Estrangeiro, Riad Al-Malki. Estiveram também presentes o Patriarca latino de Jerusalém, o Núncio Apostólico na Terra Santa e o Delegado Apostólico em Jerusalém e na Palestina. Não faltou o Representante da Palestina junto da Santa Sé e os Presidentes das Câmaras Municipais de Belém e Ramallah.

Um estímulo para a Paz

Nessa ocasião, D. Gallagher exprimiu o desejo de que “este Acordo possa, de algum modo, ser um estímulo para pôr termo definitivamente aos conflitos entre Israel e a Palestina que duram desde há anos e que continuam a causar tantos sofrimentos às duas partes. Espero – disse ainda D. Gallagher – que a solução desejável de dois Estados se torne o mais depressa possível numa realidade. O processo de paz não pode progredir senão através da negociação entre as partes na presença e com o apoio da comunidade internacional. Isto requer, certamente, decisões corajosas” – reconheceu.

O chefe da diplomacia vaticana precisou ainda que “os católicos não pretendem nenhum privilégio, senão o de continuar a colaborar com os seus cidadãos para o bem da sociedade”. Assinalou também que “a Igreja local, que esteve implicada nas negociações, está satisfeita com os resultados obtidos e sente-se feliz por ver consolidadas as boas relações com as autoridades civis”.

Este Acordo representa também “um bom exemplo de diálogo e colaboração” entre cristãos e muçulmanos no “complexo contexto do Médio Oriente, onde, em certos países, os cristãos sofrem persecuções” – acrescentou D. Gallagher, ao referir, com satisfação, o capítulo do Acordo dedicado à liberdade religiosa e de consciência.

Fruto de um longo processo

O percurso que levou a este Acordo Global é feito de muitas e importantes etapas: em Junho passado, o P. David Neuhaus, vigário patriarcal para a comunidade católica de expressão hebraica em Israel, recordava, na revista dos jesuítas italianos, “Civiltà Cattolica” que Paulo VI fora o primeiro Papa a afirmar, em 1975, que os palestinianos não eram um simples grupo de refugiados, mas sim um povo. Em 1987, pela primeira vez, o Papa João Paulo II nomeara um árabe palestiniano à cabeça do Patriarcado latino de Jerusalém. D. Michel Sabbah não cessou nunca de denunciar, sem rodeios, os sofrimentos suportados pelo seu povo devido à ocupação israelita. O chefe da OLP (Organização para a Libertação da Palestina), Yasser Arafat, fora recebido diversas vezes no Vaticano, a partir de 1987.

Depois a Santa Sé estabeleceu relações com o Estado de Israel em 1993 e com a OLP em 1994. No Acordo fundamental com Israel, a Igreja indica claramente que rejeita toda e qualquer interpretação religiosa para justificar as ambições territoriais. Depois houve a visita de João Paulo II ao Yad Vashem e aos campos de refugiados palestinianos em Aida. Por seu turno, Bento XVI pediu que a solução de dois Estados se tornasse uma realidade, mas infelizmente, continua ainda a ser apenas um sonho. E não se pode esquecer o histórico e inédito encontro dos presidentes israelita e palestiniano nos jardins do Vaticano, a 8 de Junho de 2014, na solenidade do Pentecostes, a convite do Papa Francisco.

Por ocasião da assinatura deste Acordo Global, o ministro israelita dos Negócios Estrangeiros advertiu que esta medida prejudicaria os esforços de paz. Israel deplorava, de modo particular, a decisão da Santa Sé de reconhecer oficialmente a Autoridade Palestiniana como um Estado, uma medida que qualificava de precipitada, e acusava os signatários de não tomar em consideração os interesses essenciais israelitas e o estatuto histórico especial do povo hebreu em Jerusalém.

(DA)

(from Vatican Radio)

About the Author
This is author biographical info, that can be used to tell more about you, your iterests, background and experience. You can change it on Admin > Users > Your Profile > Biographical Info page."

Leave a Reply

*

captcha *