19
ABR
2016

V Domingo da Páscoa (Jo 13,31-35)

by :
comment : 1

Sair ou ficar? O amor decide!

d1

Por: Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ

A partir deste V Domingo, a liturgia nos apresenta a nova etapa da nossa caminhada pascal: a preparação para a partida de Jesus (Ascensão), depois de ter instruído os seus discípulos, e a entrega definitiva da missão (Pentecostes). João, nos capítulos 13–17, onde se inserem a perícope de hoje e a do próximo Domingo, faz uma síntese dos principais ensinamentos de Jesus em forma de despedida. Despedida que não significa um “adeus” sem volta, mas uma solene declaração daquilo que Ele fez e ensinou e, por conseguinte, deixa por herança aos seus discípulos: “Dou-vos um novo mandamento”, e que será a garantia da sua presença perene entre eles: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros”. Quem não aceitar a lição, e consequentemente não aprendê-la, não terá parte com ele: “Se eu não te lavar os pés, não terás parte comigo… Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais” (Jo 13,8.15).

Contudo, é preciso reconhecer que só será possível realizar aquilo que o Mestre fez e deixou por herança se permanecermos unidos a Ele, pois afirma: “como um ramo não pode dar fruto, por si mesmo, se não permanece na videira… Se alguém não permanece em mim é lançado fora…” (Jo 15,4.6).
O Tempo Pascal é por excelência o momento em que a Igreja é chamada a tomar uma consciência mais clara de sua missão, isto é, ser testemunha do Ressuscitado, produzindo muito fruto, pois é assim que manifestará Deus ao mundo: “Meu Pai é glorificado quando produzis muito fruto e vos tornais meus discípulos” (Jo 15,8). Porém, só há uma maneira para que isso aconteça: “permanecendo no amor” (Jo 15,9). Esta será a fundamental prova de que os mandamentos de Jesus são observados e os preceitos do Pai são guardados (ver Jo 15,10).

d2

O evangelho de hoje é introduzido por uma atitude de um discípulo que toma a escandalosa decisão de contradizer tudo aquilo que o Mestre ensinara e fizera. Enquanto Jesus na última ceia explicita o seu desejo de permanecer com os seus, aos quais amou até o extremo, um dos seus opta por abandoná-lo, trai-lo, manter-se longe dele, impedir que a sua missão siga em frente.
No lecionário (texto oficial usado na liturgia) encontramos a expressão: “Depois que Judas saiu do cenáculo”. Contudo, em nenhuma outra versão ou tradução, sobretudo no texto grego, faz-se menção especificando de onde ele saiu (até porque o lugar físico onde estão é obvio). João diz apenas por duas vezes (13,30.31) que “Judas saiu” (grego: exelthev, ir para fora). A primeira foi quando recebeu de Jesus o pedaço de pão molhado, isto é, a expressão de que fora declarado aceito na comunhão da mesa. Porém, apesar de ter sido admitido à comunhão, Judas optou por ir para fora. Rejeitou permanecer com o Mestre e com os seus companheiros, abandonou a luz, entregando-se às trevas: “Era noite”. Não foi excluído arbitrariamente da comunhão, pois o próprio Jesus lhe lavou os pés e o declarou objeto do seu amor, mesmo não tendo tirado a sua liberdade de fazer o que tinha abraçado como projeto: permanecer impuro, por não ter acolhido a Palavra do Mestre.
No início da perícope hodierna, retomando o contexto, João afirma mais uma vez que Judas saiu. “Ir para fora” para Judas, portanto, não significou apenas sair do cenáculo, mas romper com a comunhão de vida e destino do seu Mestre. Apesar de ter conhecido a luz, preferiu as trevas: “porque as suas ações eram más” (Jo 3,19). Apesar de ter caminhado com o Mestre, que proclamou: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12); optou por compactuar com o príncipe das trevas cujo projeto de morte “já pusera no seu coração” (Jo 13,2). Não aprendeu a lição de que o discípulo não é maior do que o Mestre, mas assumiu a presunção de quem comanda não para o serviço, mas para a morte: “Judas, levando a corte e guardas destacados pelos sumos sacerdotes… Judas, o traidor, estava também entre eles” (Jo 18,3.5).

d3

Contudo, “a luz brilha nas trevas, mas as trevas não a apreenderam” (Jo 1,5). A comunhão foi rejeitada, optou-se pelas trevas, mas o amor venceu: “Agora o Filho do Homem foi glorificado e Deus foi glorificado nele”. Numa aparente vitória das trevas, irrompe o verdadeiro vencedor: o amor manifestado como glória de Deus. O tema da glória de Deus (hebraico: kabod, manifestação concreta) já no Antigo Testamento diz respeito às manifestações concretas do agir de Deus, por causa do seu amor eterno (ver Sl 136). Ver a glória de Deus é testemunhar o que Ele faz (a criação, a libertação, a aliança). A manifestação da glória de Deus alcança o seu ponto alto na Encarnação: “E o Verbo se fez carne e nós vimos a sua glória” (Jo 1,14). Jesus ao iniciar o seu ministério, segundo João, “realiza o seu primeiro sinal em Caná da Galileia, manifestou a sua glória e seus discípulos creram nele” (2,11). O novo trazido por Jesus não é dizer que Deus ama e que devemos nos amar, pois o Antigo Testamento está cheio de testemunhos dos prodígios de Deus e das exigências do amor ao próximo (Lv 19,18), mas o novo proclamado por Jesus está no modo de amar: “Não há maior prova de amor do que dar a vida” (Jo 15,13). Esta será a marca inconfundível de quem optou por permanecer nele e com Ele: “Como eu vos amei, amai-vos uns aos outros”. No amar como Ele amou, Deus será glorificado, isto é, se manifestará concretamente. O desafio é, portanto, crer e permanecer para produzir frutos. Contudo, o amor nem se impõe, nem obriga, pois não fecha portas, mas quem ama não vai embora.

deho

About the Author
This is author biographical info, that can be used to tell more about you, your iterests, background and experience. You can change it on Admin > Users > Your Profile > Biographical Info page."
  1. itamar maria Reply

    Jesus através do diálogo, procurava preparar os discípulos para enfrentar a realidade da vida, e para que eles não tropeçassem nas pedras do caminho, mas sim, desfrutassem da verdadeira alegria de ter vida em abundância. E isso só acontece quando estamos unidos a Jesus. E sem Ele, caímos no vazio, pois Ele é o único alimento que nos sustenta durante nossa caminhada terrestre!

    Pe. André, obrigado por nos presentear com tão bela reflexão!

Leave a Reply

*

captcha *