14
ABR
2017

Vigília Pascal

by :
comment : 0

Vigília Pascal (Mt 28,1-10)
Seu pé ferido nova estrada abriu

vigilia2

Por: Pe. André Vital Félix da Silva, SCJ

Santo Agostinho chama a Solene Liturgia desta noite de “a mãe de todas as vigílias”, pois nela nasce e se enraíza toda a liturgia da Igreja; cume do Tríduo Pascal, celebra-se de modo mais pleno a obra da redenção realizada por Deus através da morte e ressurreição do seu Filho. É a noite do novo nascimento para os catecúmenos e da renovação das promessas dos já batizados. A Igreja é chamada a aprofundar a consciência de sua identidade e missão; nascida do Lado traspassado do Salvador na cruz (batismo), nutrida pelo seu corpo e sangue (Eucaristia), deve ser luz no mundo.
Os quatro momentos que compõem a celebração (Rito da Luz, Liturgia da Palavra, Liturgia Batismal, Liturgia Eucarística) nos fazem mergulhar numa dimensão atemporal onde a lógica da cronologia linear perde o seu sentido; não há mais nem passado esquecido nem futuro desconhecido, pois, à luz da ressurreição do Crucificado, toda a história é relida e a eternidade se faz presente: Ele é o Alfa e o Ômega, Princípio e Fim. Assim, no princípio se anuncia o fim, e no fim realiza-se o princípio. Toda a celebração faz uma retrospectiva, mas também cria uma perspectiva, porém o eixo que as equilibra é a presencialidade da salvação.

vigilia

1. No rito da luz se faz retrospectiva do princípio de tudo: existir é vir à luz. Contudo, a luz verdadeira é o Verbo eterno que entrou na história e, ao morrer e ressuscitar, iluminou definitivamente toda a criação.
2. Na Liturgia da Palavra faz-se a retrospectiva de todo o caminho de iluminação da Palavra de Deus ao longo da história. Contudo, é a Palavra Encarnada que se revela a luz verdadeira, a Palavra definitiva do Pai, o ponto mais alto da sua comunicação.
3. Na Liturgia Batismal faz-se retrospectiva dos grandes feitos do Senhor para dar vida à humanidade. Contudo, a vida plena é dom da morte e ressurreição de Cristo cujo penhor é o batismo.
4. Na Liturgia Eucarística faz-se a retrospectiva do evento libertador de Deus para salvar o seu povo da escravidão. Contudo, a nova e definitiva aliança se estabelece na entrega de Jesus, cujo corpo e sangue partilhamos.
A perícope evangélica proclamada nessa solene liturgia sintetiza esse movimento (retrospectiva-perspectiva). Mateus, no primeiro momento, evidencia a experiência da luz: “Ao amanhecer (grego te epiphoskouse: ao estar reluzindo) do primeiro dia da semana”; corrobora com esta ideia o aspecto do anjo do Senhor (como relâmpago, vestes brancas: tudo evoca luz). Assim começamos a liturgia de hoje, experiência da luz. Em seguida, na palavra do mensageiro encontra-se uma referência à Palavra de Jesus para dizer que estava se cumprindo o que ele anunciou (característica fundamental da Palavra de Deus: anúncio-realização). Assim prosseguimos a liturgia ouvindo abundantemente a Escritura nas suas várias leituras. Num terceiro momento, faz-se uma referência explícita à morte (crucificado) e ressurreição de Jesus (fundamento do batismo). Testemunhar o batismo dos catecúmenos é contemplar em mistério a realidade anunciada pelo anjo. Por fim, descrevendo a experiência das mulheres que estavam cheias de medo (retrospectiva: morte), mas que correm com grande alegria (na perspectiva) de dar a notícia aos discípulos, vemos a necessidade de voltar à comunidade (condição primordial para a celebração da Eucaristia).
No auge da narrativa Jesus aparece no caminho diante delas (presencialidade) e as convida a alegrar-se e “As mulheres aproximaram-se e prostraram-se diante de Jesus, abraçando os seus pés”. Muito significativo que ao tocarem os pés (feridos) de Jesus, receberam a ordem: “Não tenhais medo. Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão”. Celebrar a páscoa do Senhor é fazer a experiência de tocar os pés feridos do crucificado que abriram o caminho para os seus discípulos o seguirem indo para a Galileia, lugar onde tudo começou: “Vem Jesus da Galileia…” (Mt 3,13). Portanto, naquilo que parecia conclusão descortina-se um novo princípio. A vigília pascal é verdadeiramente a mãe, pois nos gera no Filho, filhos para continuar a sua missão no mundo, sendo luz.

vigilia3

About the Author
This is author biographical info, that can be used to tell more about you, your iterests, background and experience. You can change it on Admin > Users > Your Profile > Biographical Info page."

Leave a Reply

*

captcha *